CONCENTRACION: Castelo de Vide y Marvão

Página 3 de 3. Precedente  1, 2, 3

Ver el tema anterior Ver el tema siguiente Ir abajo

Re: CONCENTRACION: Castelo de Vide y Marvão

Mensaje por Pibe el Dom 27 Sep 2015, 17:02

[quote="stirus"]Muy buenas fotos Pibe.

Además de disfrutar del paisaje y de la carretera, veo que también has deleitado con la gastronomía de la zona. Un viaje en moto sin una buena mesa, no es un buen viaje.[/quote
Sabias palabras! Camino y comida van juntos siempre. Gracias
avatar
Pibe

Localización : El Vellon (Madrid)
Mensajes : 1060
Fecha de inscripción : 11/12/2014
Edad : 60

Volver arriba Ir abajo

Re: CONCENTRACION: Castelo de Vide y Marvão

Mensaje por Vapor el Dom 27 Sep 2015, 17:30

Gracias Pibe por deleitarnos con esas fotos.

_________________
avatar
Vapor

Localización : Badalona
Mensajes : 1777
Fecha de inscripción : 09/12/2014
Edad : 54

http://vapor1300.blogspot.com.es

Volver arriba Ir abajo

Re: CONCENTRACION: Castelo de Vide y Marvão

Mensaje por Vapor el Dom 27 Sep 2015, 17:32

Las fotos del compañero PIBE están al final del primer post

_________________
avatar
Vapor

Localización : Badalona
Mensajes : 1777
Fecha de inscripción : 09/12/2014
Edad : 54

http://vapor1300.blogspot.com.es

Volver arriba Ir abajo

Re: CONCENTRACION: Castelo de Vide y Marvão

Mensaje por Pibe el Dom 27 Sep 2015, 17:37

Gracias Vapor!. Saludos
avatar
Pibe

Localización : El Vellon (Madrid)
Mensajes : 1060
Fecha de inscripción : 11/12/2014
Edad : 60

Volver arriba Ir abajo

Re: CONCENTRACION: Castelo de Vide y Marvão

Mensaje por J POMAR el Dom 27 Sep 2015, 20:03

Bonito video y fotos se ve una reunion magnifica.Ahora compañero Luis la pregunta es si para el proximo año tienes pensado volver ha repetirla y cuando seria por reservar dias de vacacionrs para poder asistir
avatar
J POMAR

Localización : Pomar de Cinca (Huesca)
Mensajes : 551
Fecha de inscripción : 27/12/2014
Edad : 54

Volver arriba Ir abajo

Re: CONCENTRACION: Castelo de Vide y Marvão

Mensaje por Luis Cravo el Dom 27 Sep 2015, 21:39

Gracias amigo.

organizo vários paseos durante el año, este fue uno de ellos, desta vez con mucha assistência.

No tengo idea de repetir una concentracion en Castelo de Vide, pero puede ser que utilice Castelo de vide como base para un paseo en la zona.

Saludos
avatar
Luis Cravo

Localización : Lisboa (Portugal)
Mensajes : 344
Fecha de inscripción : 14/07/2015
Edad : 42

Volver arriba Ir abajo

Re: CONCENTRACION: Castelo de Vide y Marvão

Mensaje por Pibe el Lun 28 Sep 2015, 13:21

Pues me parece una buena idea organizar alguna quedada anual en puntos fronterizos de España y Portugal. La frontera de Portugal con Cáceres (Castelo), Salamanca (Ciudad Rodrigo, Vilar Formoso y Guarda) y Zamora (Miranda do Douro) tiene muchos lugares de encuentro con encanto. Apoyo la idea
avatar
Pibe

Localización : El Vellon (Madrid)
Mensajes : 1060
Fecha de inscripción : 11/12/2014
Edad : 60

Volver arriba Ir abajo

Re: CONCENTRACION: Castelo de Vide y Marvão

Mensaje por Luis Cravo el Lun 28 Sep 2015, 15:03

Pedro, vosotros quieren fiesta y comidas buenas Smile

Tengo que pensar en algo, pero lo pensare de acuerdo con nuestro amigo Vapor Smile y contigo también. Very Happy

Saludos
avatar
Luis Cravo

Localización : Lisboa (Portugal)
Mensajes : 344
Fecha de inscripción : 14/07/2015
Edad : 42

Volver arriba Ir abajo

Re: CONCENTRACION: Castelo de Vide y Marvão

Mensaje por Pibe el Lun 28 Sep 2015, 16:45

Por supuesto Luis que nos gusta la buena comida y el buen ambiente. Háblalo con Vapor y cualquier idea que os pueda ofrecer lo haré con gusto. Saludos
avatar
Pibe

Localización : El Vellon (Madrid)
Mensajes : 1060
Fecha de inscripción : 11/12/2014
Edad : 60

Volver arriba Ir abajo

Re: CONCENTRACION: Castelo de Vide y Marvão

Mensaje por Vapor el Lun 28 Sep 2015, 18:17

Me gusta la buena mesa, pero no me dejan sentarme en ella, ja,ja,ja


_________________
avatar
Vapor

Localización : Badalona
Mensajes : 1777
Fecha de inscripción : 09/12/2014
Edad : 54

http://vapor1300.blogspot.com.es

Volver arriba Ir abajo

Re: CONCENTRACION: Castelo de Vide y Marvão

Mensaje por Luis Cravo el Lun 28 Sep 2015, 18:30

Pero puedes comer de pie. Wink

Saludos
avatar
Luis Cravo

Localización : Lisboa (Portugal)
Mensajes : 344
Fecha de inscripción : 14/07/2015
Edad : 42

Volver arriba Ir abajo

Re: CONCENTRACION: Castelo de Vide y Marvão

Mensaje por Luis Cravo el Vie 23 Oct 2015, 00:45

Amigos, les dejo aqui un video del passeo



Saludos
avatar
Luis Cravo

Localización : Lisboa (Portugal)
Mensajes : 344
Fecha de inscripción : 14/07/2015
Edad : 42

Volver arriba Ir abajo

Re: CONCENTRACION: Castelo de Vide y Marvão

Mensaje por Mercupan el Vie 23 Oct 2015, 10:45

Luis yo no lo puedo ver, pone "no se admite rste complemento",
avatar
Mercupan

Localización : Valencia
Mensajes : 620
Fecha de inscripción : 15/01/2015
Edad : 44

Volver arriba Ir abajo

Re: CONCENTRACION: Castelo de Vide y Marvão

Mensaje por volusionator el Sáb 24 Oct 2015, 14:35

Luis, y las fotos??? donde se pueden ver??
avatar
volusionator

Localización : Zamora
Mensajes : 149
Fecha de inscripción : 14/12/2014

Volver arriba Ir abajo

Re: CONCENTRACION: Castelo de Vide y Marvão

Mensaje por Luis Cravo el Sáb 24 Oct 2015, 21:37

Aqui tienes el enlace

https://www.youtube.com/watch?v=2NbC_vuJ89g

Mercupan escribió:Luis yo no lo puedo ver, pone "no se admite rste complemento",
avatar
Luis Cravo

Localización : Lisboa (Portugal)
Mensajes : 344
Fecha de inscripción : 14/07/2015
Edad : 42

Volver arriba Ir abajo

Re: CONCENTRACION: Castelo de Vide y Marvão

Mensaje por Luis Cravo el Dom 25 Oct 2015, 00:42

Amigos, les dejo aquí una crónica de la concentración de Castelo de Vide y Marvao.

Les pido disculpa porque no tengo tiempo para hacer la traducción a Castellano.




[size=5][red]
73ª CONCENTRAÇÃO DO CPEE
CASTELO DE VIDE 2015
[/red][/size=5]





Quando a tranquilidade, a escala e a graça da natureza se juntam à extravagância, diversidade e carácter da cultura, é um luxo! Pode vir o trovão de Zeus, a inspiração das musas, as ofertas de Baco ou o canto das sereias. A tentação, o feitiço ou a provocação expiram ou desaparecem.




Ficam espaços para abranger, novidades de pasmar, mistérios para descobrir, recantos a perscrutar, deslumbres para fruir. É um mundo fascinante que se abre como o horizonte alentejano, como o panorama desde a Senhora da Penha, como a imponente Marvão, a emblemática Ammaia, a singularidade de Castelo de Vide, o testemunho ancestral do Menir da Meada.




E muito mais. As pessoas entusiasmam-se, juntam-se a uns, comentam com outros, divertem-se e regozijam-se. Pegam nas motos como se fizessem parte de si, metem-se na estrada à boleia de outros, vão á descoberta desinteressados. Entram, buscam, observam, espreitam, esticam-se, perguntam, esclarecem. E sorriem. Estão felizes.




Terão vindo pelos lugares? Pelas pessoas? Pelas motos? Pelas paisagens, pela história, pela gastronomia? Pela arte, pela beleza, pelo convívio? Por tudo isto, certamente. Mas onde querem investir? Talvez tenha sido aquele o investimento: valorizar a sua felicidade. Talvez por isso, tenham andado
POR TERRAS DE SÃO MAMEDE
mais de seis dezenas de motos e uma centena de participantes que se reuniram em Castelo de Vide para se associarem à 73ª Concentração do Clube Pan European de Espanha, que juntou membros do Clube espanhol, do congénere português, do GAPE e ainda convidados dos organizadores, os portugueses Luís Cravo e Manuel Arez.




Apesar de a região não ser desconhecida para muitos, a proposta era tentadora. A primeira noite convidava a um percurso de tapas, na manhã seguinte subíamos à Senhora da Penha, rodávamos até às ruínas de Ammaia e treparíamos Marvão para almoçar e visitar o museu e o castelo.




A tarde estava destinada à passagem pelo Menir da Meada, pela barragem de Póvoa e Meadas e à visita ao museu da aldeia do mesmo nome. O jantar estava marcado para Castelo de Vide, que percorreríamos no dia seguinte, com visita à sinagoga e ao castelo. O almoço e final da Concentração teriam lugar em Portagem à beira do rio.



[blue][size=3]NOITE DE TAPAS[/size=3][/blue]


Porém, poucos sabiam que a recepção na Praça D. Pedro V teria como anfitrião um pórtico alusivo ao evento e que dava passagem às motos que ficariam estacionadas em redor da praça principal da urbe.




A maioria dos participantes estava alojada no Hotel Sol e Serra, situado perto do centro e do circuito de tapas que envolvia seis estabelecimentos, onde se podia tapear desde “peixinhos da horta” ao queijo de Nisa e de Castelo Vide, passar pelos enchidos e terminar com sobremesas típicas da região.




Foi uma maneira agradável de preencher os principais bares da zona central com os participantes, fáceis de reconhecer pela animação ou pelas primeiras lembranças do evento, camisolas alusivas à Concentração que descobrimos nos quartos. Estava entregue o cartão-de-visita do evento.


[size=3][blue]HORIZONTES DA SENHORA DA PENHA[/blue][/size=3]


A manhã seguinte recebeu-nos com uma temperatura estival. Saímos em grupo do hotel e alguns já prescindiram dos blusões. Como é habitual nestas circunstâncias que envolvem muitas motos, a organização contava com um staff dedicado à orientação do trânsito nas situações mais prementes, bem como com breafings pontuais.




Trepámos à Senhora da Pena por entre o arvoredo frondoso que empresta ao ambiente o epíteto de Sintra do Alentejo. À medida que íamos subindo percebia-se melhor o rigor da planície em redor e da distância majestosa até onde a vista alcança.




Andámos pouco. Estacionámos as motos num parque de terra batida que fica no sopé de uma escadaria que leva ao miradouro. No cimo, uma pequena ermida alva domina o cume, rodeada pelas fragas cínzeas e por um panorama que vai até Marvão em horas onde o sol não está no mesmo caminho.




Escalamos com ganas. Lá em cima, a ermida gaba-se dos mais de quatrocentos anos de vida e os azulejos regozijam-se dos seus três séculos. Do cimo olhamos em redor, afinamos o olhar, enchemos a alma e apaixonamo-nos pelo lugar. Valeu a pena a subida (o sacrifício). Descemos apaziguados.


[blue][size=3]
MEMÓRIAS E TESTEMUNHOS ROMANOS
[/size=3][/blue]


Voltamos às estradas de São Mamede, a bailar entre penhascos com o olhar estasiado na planície. Por instantes, ao longe, a montanha aparece recortada no céu em traços rudes, cínzeos, mal definidos, mas com a claridade da manhã a iluminar-lhe a silhueta.




Pouco depois, entramos numa quinta, andamos sobre terra batida e paramos num terreiro perto de onde há vinte séculos florescia a mais importante cidade romana da região do actual Alto Alentejo. Estamos em Ammaia.




São cerca de 25 hectares. Abandonadas as escavações durantes alguns anos, hoje a maior parte da cidade – 99% encontra-se soterrada! -, já está mapeada percebendo-se facilmente a sua enorme dimensão e a irrepreensível distribuição urbana.




A grandiosidade do municipium mas sobretudo o seu poder económico percebe-se nos testemunhos de abastança reconhecidos nos produtos que importavam, na qualidade dos mármores, nas lápides, na opulência dos vidros.




Alguns desses mármores foram deslocados para o castelo de Marvão. Outros, estavam a servir de soleira na quinta. Surpreendente é também o excelente estado de conservação das peças em vidro, de cujo espólio está apenas mostrada uma ínfima parte.




No exterior, as duas torres que vigiavam as antigas portas da urbe dão uma boa ideia da dimensão das muralhas. Logo a seguir surpreendemos o lageado que leva ao fórum, situado do outro lado da estrada nacional (que corta o complexo arqueológico).




A visita guiada levou-nos para o fórum e para o templo. Estavam a decorrer escavações para colocar mais algumas décimas da cidade a descoberto. Entretanto, também nós íamos descobrindo pedaços do passado, aqui e ali. Aliás, não era difícil achar cacos de telhas romanas sob os nossos pés.


[blue][size=3]
MARUÁN
[/size=3][/blue]


As atalaias iam-se estendendo ao longo das antigas fronteiras. Os castelos multiplicam-se nos sítios mais altos: Portalegre, Alegrete, Castelo de Vide, Monforte, Elvas, Arronches. São as sentinelas da raia. Mais um testemunho da importância remota da região.




O rochedo de Marvão vê-se desde a planície de Ammaia. Não está longe. E são cerca de oitocentos metros de altitude. É impossível não ver, não ficar abismado. Só lá em cima, depois da Porta de Ródão fendida na muralha se vão percebendo as casas alvas, baixas, ponteadas de pedra.





Escalamos através de ruas estreitas. Em alguns sítios, parece que não cabem duas motos lado-a-lado. Seguimos rigorosamente o lageado que se estende a meio das ruas, quase a lembrar que na era medieval era por ali que corria a água e os dejectos.




Quando chegamos ao topo as Pans já estão quase todas alinhadas junto dos passeios pétreos, rijos e torcidos. Entramos na Câmara local para ser recebidos pelo respectivo presidente e pelos organizadores do Passeio. Agora, é Marvão que interessa e que se interessa por nós.




Exalta-se a história e distingue-se a diversidade do ambiente. Salientam-se os valores e as vantagens, os pontos de interesse e o que é importante para Marvão e para os visitantes.




Demos meia dúzia de passos e entramos no museu, que mostra um pouco de tudo o que a região testemunha, do pré-histórico à idade moderna. Está instalado numa antiga igreja – cuja arquitectura e decoração o valorizam – e organiza-se em três núcleos, arte sacra, arqueologia e etnografia.




Depois, a imprescindível visita ao castelo de finais do século IX. Após a entrada começamos pela cisterna de tecto abobadado, uma das maiores existentes em castelos portugueses. Mais à frente, o pátio de armas estende-se até à alcáçova. Mostrava uma exposição de esculturas em ferro de uma artista local.




O acesso à torre de menagem faz-se por um pátio rodeado por antigos paióis e armarias. Das ameias da alcáçova a vista vai até onde quisermos. Talvez por isso, José Saramago tenha escrito que “de Marvão vê-se o mundo”, no seu livro, Viagem a Portugal.




Do cimo das muralhas percebe-se o perfil esguio da urbe que se estende para sul sobre o cume e a vertente leste do rochedo. Apesar de a temperatura ter ultrapassado os trinta graus, lá em cima soprava uma ligeira brisa que aliviava alguns que não haviam prescindido dos fatos de cordura.




Para o restaurante Varandas do Alentejo vamos pelas vielas marvanenses até chegarmos à Praça do Pelourinho. Passamos por um simpático lounge virado a nascente, descemos escadinhas, viramos no chafariz e chegados ao restaurante subimos ao primeiro andar.


https://lh4.googleusercontent.com/-6XrXTfzrfjc/Vh1_lC8jzaI/AAAAAAAACFQ/bNe9Jlto4yo/w992-h558-no/26.jpg " alt="" />

A proposta é começarmos com pezinhos de coentrada, enchidos alentejanos e queijo de Nisa. Ficamos bem. Depois, o prato de eleição é perna de porco, além de uma sugestão de bacalhau em azeite com espargos silvestres. Pratos para apaixonarem portugueses e espanhóis.




Voltamos à Câmara, fizemos fila e entregamos um inquérito da Dunlop. Além de documentação sobre Marvão, recebemos um manómetro dedicado a verificar a pressão dos pneus da Pan.




Regressamos às ruas empedradas reféns das casas perfeitamente caiadas. Com as motos a estenderem-se desde o terreiro da Câmara até à Porta de Ródão, em toada lenta. Fica estreita a passagem, mesmo a pé. Próximo destino: Menir da Meada.


[blue][size=3]
O MENIR, A BARRAGEM E O MUSEU
[/size=3][/blue]


A estrada é estreita mas o piso está bom, excelente para rodar em caravana. O asfalto deixou-nos a meia centena de metros do menir. São sete metros de altura de pedra que pesa cerca de quinze toneladas. Tem mais de três mil anos seguramente e a habitual forma fálica.




É o maior exemplar monolítico da península Ibérica. A forma do menir não deixa dúvidas. É inevitável não tecer comentários circunstanciais, fazer análises comparativas ou arriscar uma ou outra experiência mais sensual. Nisto, portugueses e espanhóis estão de acordo.




É verdade que as classificações ajudam a organizar o caos, mas não deixa de ser curioso continuar-se a falar de pré-história, como se a história não tivesse deixado vestígios de si ao longo da existência humana. O menir está lá como prova e testemunho.
O convívio voltou nas margens da barragem de Póvoa e Meadas, local destinado a uma das fotos de grupo do Passeio. E foi próximo de uma nova estrutura fálica, esta mais estilizada, que posamos à vista das águas tranquilas da barragem.




Regressamos às motos e voltamos às estradas que sulcam os campos de São Mamede. Vamos ao longo de vinhas, pomares e prados. Os castanheiros espraiam-se a espaços deixando o campo aos calhaus que surgem em maior quantidade e dimensão.




O Museu de Póvoa e Meadas, recebeu-nos com um lanche que incluía enchidos e queijos e um vinho branco frutado que compensou o calor que ainda se fazia sentir.




O museu mostra peças de arqueologia e etnologia e está situado num solar do século XVIII, em pleno Largo do Rossio, onde se destacam outros edifícios de traça antiga. As Pans estenderam-se a longo dos passeios e as pessoas aproveitaram a tranquilidade da vila cujo nome completo é Nossa Senhora da Graça de Póvoa e Meadas, para trocar impressões.


[blue][size=3]
NOITE DE CHARANGA, SORTEIO, HOMENAGEM E CONVIVIO
[/size=3][/blue]


Deixámos a vila rumo a Castelo de Vide. Lá perto, reconhecemos a sua silhueta dourada pelo sol poente. Trepamos para centro histórico quando uma caravana de carros clássicos deixava a vila.




Na chegada aos quartos, esperava-nos mais uma surpresa: novos polos identificados com a sigla “Pan European”. Se bem que durante o dia havíamos utilizado as camisolas alusivas ao Passeio, no dia seguinte seriam este polos a identificarem os participantes.




E foi ao som de uma charanga local composta por jovens que deixamos o hotel. O grupo liderou-nos até à praça central de Castelo de Vide, em jeito de aperitivo diferente e divertido que nos levou até ao restaurante D. Pedro V.




Betemo-nos com um excelente cabrito de cachafrito, um prato típico da zona, e fomos trocando as primeiras impressões sobre o passeio, envolvidos pela soada de conversas que só portugueses e espanhóis conseguem criar nestas ocasiões.




Mais tarde teve lugar uma homenagem ao curriculum motociclístico da Gracinda Ramos - uma viajante de moto inveterada que nos brinda habitualmente com descrições excelentes das suas navegações motociclíticas, e recentemente regressou de uma viagem à Rússia - tendo recebido das mãos do presidente do CPEE uma placa comemorativa.




Logo após, Paco Esteban, presidente do CPEE, agradeceu aos organizadores portugueses, Luís Cravo e Manuel Arez, pelo esforço e concretização do Passeio., e não deixou de nos incentivar a estar presentes no Gathering de 2016, em Leon, que será realizado pelo Clube espanhol.




Os organizadores tiveram oportunidade de retribuir, agradecendo a presença dos participantes, bem como às entidades que apoiaram o evento, formulando também votos de boa viagem a todos os partiriam cedo no dia seguinte.




Houve ainda tempo para efectuar um sorteio onde todos receberam um brinde oferecido pelos patrocinadores, tendo ido para Espanha os dois últimos, um capacete integral e um par de pneus para a Pan. Já passava da meia-noite quando deixamos o restaurante.


[blue][size=3]
POR CASTELO DE VIDE
[/size=3][/blue]


Subimos os degraus do edifício da Câmara de Castelo de Vide para uma sessão de boas-vindas que ficou a cargo de um dos vereadores da edilidade, mas onde houve ainda lugar para o agradecimento do presidente do CPEE e dos organizadores do Passeio.




No final da sessão, o antigo presidente da Câmara da vila, Carolino Tapadejo, brindou-nos com uma estória extraordinária, de uma judia idosa e doente de Ismirna (Turquia) que, este ano, quis regressar à terra de origem dos seus antepassados que haviam sido obrigados a fugir durante o período da Inquisição. Fê-lo também para deixar ao antigo presidente da Câmara uma chave, a chave da casa dos seus antepassados, um objecto com mais de 500 anos.




Pouco depois, demos início ao passeio por Castelo de Vide, ainda com o significado daquele gesto na memória, sempre acompanhados pelo senhor Carolino, um guia excelente no que diz respeito á vida da comunidade judaica local.




Foi com ele que seguimos para a igreja matriz onde nos chamou a atenção para o corrimão em ferro que a rodeia ter sido obra do seu pai, como comprova o anagrama lá gravado. Continuamos, agora pelas ruas estreias e íngremes que levam à sinagoga.




Há anos, a sinagoga não passava de duas salas pequenas. Hoje, com o empenho do senhor Carolino a sinagoga merece uma visita, quer pela sua arquitectura, quer pelos conteúdos históricos, religiosos e simbólicos que encerra.




Continuamos para a fonte da vila, uma obra com mais de cinco séculos construída pela comunidade judaica, onde o nosso guia nos incentivou a beber a água fresca e límpida, uma ideia refrescante para combater o calor que já se fazia sentir.




Ali perto, ainda existe a casa onde moraram os pais do filósofo Espinosa. Em outra das ruas que saem da praça onde está a fonte, vistamos a oficina de ferreiro, propriedade dos pais do senhor Carolino, que é hoje um museu. Mostrou-nos entre outras peças uma, um maçarico de fabrico alemão com meio século, que ainda tinha gravado a cruz suástica.




Escalamos de novo as ladeiras que vão dar à praça D. Pedro V e juntamo-nos para partir daí para o local de almoço. Antes, porém, todos posamos para uma foto individual e uma foto de grupo.




Primeiro, o grupo feminino e, depois, o grupo masculino. O grupo feminino incluía duas condutoras. Logo após, foi a vez de posarmos, moto a moto, sob o portal que nos havia acolhido na vila que estávamos prestes a deixar.





[blue][size=3]
ALMOÇO EM PORTAGEM
[/size=3][/blue]

Daí a pouco chegávamos ao restaurante Zé Calha, em Portagem, onde nos esperavam umas bochechas de porco feitas á moda da casa. De notar o curioso e desafiante trajecto desde a rua ao local de estacionamento, onde andamos por cima de estreitas pontes e ao longo de um degrau de um anfiteatro.




Deixamos o restaurante, despedindo-nos desta vez de portugueses e espanhóis. Ficamos com excelentes recordações dos locais onde estivemos, das vistas que efectuamos, dos eventos realizados e das pessoas que nos acompanharam.




E, quando tal acontece, é normal regressarmos a casa com vontade de tornarmos à estrada em boa companhia, para novos percursos e à descoberta de novos sítios, onde possamos ser felizes.

Cordeirus
avatar
Luis Cravo

Localización : Lisboa (Portugal)
Mensajes : 344
Fecha de inscripción : 14/07/2015
Edad : 42

Volver arriba Ir abajo

Re: CONCENTRACION: Castelo de Vide y Marvão

Mensaje por Antonio el Dom 25 Oct 2015, 00:57

Buen reportaje y muy buena cronica gracias Luis por todo
avatar
Antonio

Localización : Cadiz
Mensajes : 102
Fecha de inscripción : 21/02/2015

Volver arriba Ir abajo

Re: CONCENTRACION: Castelo de Vide y Marvão

Mensaje por Pibe el Dom 25 Oct 2015, 20:27

Gracias Luis por volver a recordarnos con tu crónica e imágenes los buenos ratos pasados.
avatar
Pibe

Localización : El Vellon (Madrid)
Mensajes : 1060
Fecha de inscripción : 11/12/2014
Edad : 60

Volver arriba Ir abajo

Re: CONCENTRACION: Castelo de Vide y Marvão

Mensaje por Bainetas el Dom 25 Oct 2015, 21:31

Que pena no poder estar ahí.

Un saludo amigos.

16º y despejado.
avatar
Bainetas

Localización : Pamplona
Mensajes : 230
Fecha de inscripción : 01/10/2015

Volver arriba Ir abajo

Re: CONCENTRACION: Castelo de Vide y Marvão

Mensaje por Contenido patrocinado


Contenido patrocinado


Volver arriba Ir abajo

Página 3 de 3. Precedente  1, 2, 3

Ver el tema anterior Ver el tema siguiente Volver arriba

- Temas similares

 
Permisos de este foro:
No puedes responder a temas en este foro.